Noites Cafajestes à venda

Noites Cafajestes está de novo à venda, agora no site da Amazon Brasil: clique no link abaixo, e digite o nome do livro na pesquisa loja kindle, no alto da página.
Um verdadeiro guia de comportamento e sabedoria canalhas e cafajestes por R$6,00.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Descobertas feitas em mesas de bar e registradas em guardanapos - LXXXIII

"Mulher é como laranja, em qualquer lugar se arranja; homem é igual cachaça, em todo lugar se acha."

Seu Julinho, seresteiro, pai do grande Toninho do Diabo(que me transmitiu em pessoa essa pérola de sabedoria e vivência).

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Texto curto, fútil, inútil, mas verdadeiro

Sábado à noite, este escriba canalha tem a honra de receber em seu buraco uma dama que até então resistia aos convites dele para conhecer seu modesto lar, embora, curiosamente, ela franqueie a ele  acesso  a sua alcova sem dificuldades. Enquanto enche lentamente a taça da moça com o vinho escolhido com todo cuidado, ela dispara:
- Você quer me embebedar?
Surpreendido pela pergunta inesperada, ele para o movimento e encara a moça, que responde com um olhar faiscante e irresistível de seus olhos verdes e conclui:
- Por favor, me faça ficar bêbada...
O que um pobre canalha pode fazer, a não ser atender ao pedido de uma linda loira de olhos hipnóticos? Pois como sempre digo, o desejo de uma bela mulher é o nosso destino, que devemos abraçar com todas alegria e ardor possíveis.

Saudações canalhas e cafajestes

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Some recent amazing nights feeling



Soa a filosofia barata de botequim, papo de pseudo pensador rebelde meio inculto, a adulto de meia idade posando de adolescente ainda cheio de energia. É tudo isso e muito mais, é celebrar a vida enquanto ela ainda é banhada por energia, celebrar as noites e tudo que trazem a nós, que as vivemos de modo inconsequente, como deve ser. E segue a letra desta obra-prima, pois este escriba está alcoolizado e inspirado:


No Surrender

You know that life isn't set
I lead the pack I ain't no pretender
You give as good as you get
We live and die cause there's no surrender
Chasing a dream as I go higher
Playing it mean, my heart's on fire
Living my life, ain't no pretender
Ready to fight with no surrender
You know the way that I feel
If you're with me you better hold on tighter
I'm only keeping it real
That's who I am, I'm just a non-stop fighter
Chasing a dream as I go higher
Playing it mean, my heart's on fire
Living my life, ain't no pretender
Ready to fight with no surrender
Run out of road
The end of the days
Not for the weak
Only the brave
Chasing a dream as I go higher
Playing it mean, my heart's on fire
Living my life, ain't no pretender
Ready to fight with no surrender
I'm chasing a dream as I go higher
I'm playing it mean, my heart's on fire
I'm living my life, ain't no pretender
Ready to fight with no surrender

terça-feira, 8 de maio de 2018

Em uma tarde chuvosa e tristonha de domingo, o telefone toca(não, esta não é uma história romântica e feliz)


Os caros leitores lembram-se de um amigo deste escriba divorciado, pai de dois filhos, que protagonizou algumas postagens desta tranqueira? O  homem por volta dos quarenta anos que tenta equilibrar os papéis de pai dedicado e sujeito com direito a ter uma vida amorosa pós-divórcio? Lembram-se dele, caros leitores? Lembram-se que ele, quase sempre e invariavelmente, se dava mal em suas infindáveis tentativas de manter esses dois aspectos de sua vida em equilíbrio? Pois então, acompanhem a última desventura vivida por ele, a qual, segundo o próprio, o levará a rever e mudar certas práticas de sua vida pouco afortunada...
Domingo, bem no início da tarde, uma tarde cinzenta, chuvosa e tristonha, aliás. Estava o protagonista desta postagem na casa de sua atual, hã, acompanhante, parceira, chamem como quiser, pois ele, devido às inúmeras porradas que tomou nos últimos anos, resiste imenso a chamar as mulheres com quem se relaciona de namoradas. Podemos condená-lo por isso?
Não bastasse sua atual acompanhante não se empolgar em acompanhá-lo ao almoço de aniversário da esposa de um grande amigo dele, amigo de muitos e muitos anos, eis que seu celular toca e um de seus filhos não perde um segundo para questioná-lo se ele se esqueceu que havia um evento obrigatório e sensacional promovido pela escola em que ambos estudavam, evento que claro, ele tinha se esquecido e que se desenrolava naquela exata tarde. E claro que o filho disparou as chantagens emocionais que os filhos, principalmente os filhos de um pai que cometeu o crime de se separar da querida mamãe das crianças, sempre disparam. Tudo ficou escuro na frente do sujeito, que viu-se em um entrevero sem solução. Atordoado, balbuciou  algumas palavras perdidas e inseguras, que fizeram o filho, também atordoado, supor que o pai não compareceria, e reagir simplesmente se despedindo com palavras secas e desligando o aparelho para espanto de seu progenitor.
Os leitores são capazes de imaginar o desalento que dominou o sujeito? Eu também não.
Após uma rápida conversa com sua companhia, que se mostrou a um só tempo compreensiva e aliviada e anunciou que não o acompanharia em sua jornada, ele ligou para o telefone da adorável mamãe de seus filhos, que como sempre o tratou como uma fusão de imbecil que cai em qualquer lorota e canalha desprezível  e afirmou que os dois filhos estavam tristes, pois em uma festa com a presença de mais de cem crianças e adolescentes eles seriam os únicos sem papai presente. Meu amigo respirou fundo, acalmou-se, não invocou os poderes dos maiores ferozes demônios do inferno para castigá-la (bem, ele não faria isso de modo algum, pois como eu é um ser racional e ateu convicto), pediu o endereço do evento imperdível e saiu em uma louca jornada cidade afora. Saiu dos extremos da zona oeste, depois do campus da USP, atravessou a cidade coberta de garoa para alcançar um ponto da zona sul não distante do Jardim Zoológico, e adentrou o salão de festas de um clube de bairro de classe média decadente e posuda, onde acontecia a tal festa para angariar fundos para a festa de formatura da escola. Após receber os abraços e atenção de suas crias, circular com eles para lá e para cá, pagou (caro) pela comida que era servida e esperou. E esperou. E esperou pela refeição, que nunca surgia. E o escoar do tempo lembrava, inclemente, que era esperado em outro evento, nos calcanhares-de-judas da zona norte. Assim, ele não vê outra solução e cobra a refeição pela qual pagou, há quase uma hora, para os voluntários que trabalham no tal evento. Nesse momento ele descobre que a adorável mamãe de seus filhos trabalha na cozinha como voluntária, controlando a preparação dos pedidos que chegam...Logo a comida é posta diante dele, que não consegue reprimir sua imaginação, especula o que colocaram naquela mistura. Nesse  instante ele cogita se iniciar na arte do jejum voluntário, mas diante dos olhares de seus filhos, ansiosos por ele prestigiar a festança, ataca o conteúdo do prato com furor e logo após parte o mais rápido possível para os extremos do norte da cidade, cidade que continua toda coberta por uma capa de cinza, garoa e pasmaceira.
Após enfrentar hordas de domingueiros desastrados e selvagens no trânsito, alcançou os estertores de uma das mais longas avenidas da zona norte, já nos arrabaldes da serra que domina essa região de São Paulo. Procura, procura, nada do prédio descrito por seus amigos como local da comemoração. Irritado e cansado, telefona para os anfitriões e descobre que está na extremidade errada da avenida, o local da festa situa-se no primeiro quarteirão desta, a mais de dois quilômetros de distância!
Mas uma vez lá, um pouco de merecido repouso e alívio: encontra-se entre amigos de muitos anos, ninguém nesse grupo julga ou condena os demais, todos são compreensivos, fraternais; a bebida corre solta e meu amigo manda o juízo às favas e trata de se embebedar, ou quase isso; a comida é farta, saborosa - e confiável. Após quase duas horas  de pura alegria, seu telefone celular toca mais uma vez. É sua atual companhia feminina, que com a voz lânguida e irresistível que só as mulheres possuem, pergunta se ele ainda vai se demorar por lá, pois já está 'com saudades dele, rolando na cama...' E lá se vai o intrépido desbravador dessa miscelânea de horror, tédio e mentiras que é a vida adulta mais uma vez rumo aos fundos da zona oeste, assim completando sua saga dominical São Paulo afora.
Encerro esta postagem com o comentário espirituoso com que meu amigo terminou a narração de sua aventura: "Cara, me senti uma daquelas aves - gansos, patos - que são mostrados nesses documentários de vida animal, que migram milhares de quilômetros, em bando. Me senti como um deles, que se perdeu dos outros e ficou para lá e para cá, como um idiota, debaixo de neve e chuva, atrás do grupo!"

Nada mais a acrescentar,

Saudações canalhas e cafajestes



segunda-feira, 30 de abril de 2018

Descobertas feitas em mesas de bar e registradas em guardanapos - LXXXII

"A noite só acaba quando você fecha a porta de sua casa para dormir."

Frase dita pelo velho amigo e colaborador mor desta tranqueira, ao testemunhar um fim de noitada deste escriba, que foi presenteado no fim da madrugada, após horas de infelicidades, com nada menos que duas belas surpresas.
Sim, já houve outras postagens desta série interna com conteúdo muito semelhante, mas sejam humanos e compreensivos com os canalhas, caros leitores: as duas referidas surpresas foram tão inesperadas e agradáveis que sua breve mas muito prazerosa passagem pela vida deste sujeitinho merece ser aqui registrada.

Saudações canalhas e cafajestes